3 comentários:
De O Escravisauro a 11 de Abril de 2006 às 11:52
Obrigado pelo contributo. A questão do contencioso devido ao nome é uma novidade interessante e que, para mim, faz todo o sentido.
Que a SCML pertencia ao Estado já eu sabia e por isso apenas disse e reafirmo que se tratava de uma instituição "de inspiração cristã". Não sou eu que o digo, aliás, é a própria SCML no seu site e nos seus estatutos:

"Durante os anos 80, iniciaram-se os trabalhos de reforma dos Estatutos da Misericórdia de Lisboa, que vieram a ser aprovados pelo Decreto-Lei n. 322/91, de 26 de Agosto, o qual veio a ser alterado pelo Decreto-Lei n. 469/99, de 6 de Novembro. No art. 2º dos Estatutos estabelece-se que a Instituição prossegue humanitária e benemeremente fins de acção social, de prestação de cuidados de saúde, de educação e cultura e de promoção da qualidade de vida, sobretudo em proveito dos mais desprotegidos, de acordo com a tradição cristã do seu compromisso originário e da sua secular actuação em prol da comunidade, devendo dar particular ênfase às obras de misericórdia (...)".
(http://www.scml.pt/default.asp?site=historia&sub=)

A principal questão que pretendo evidenciar é justamente esta grande mentira. É o lobo na pele de cordeiro. A fachada "cristã" e boa samaritana da SCML é, em grande medida, uma fraude que urge desmascarar.
De Nova Evangelização a 10 de Abril de 2006 às 19:00
A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que é quem tem a concessão dos jogos sociais, totoloto, lotaria, etc., não tem inspiração cristã.
Pertence ao estado que a nacionalizou em tempos.
Há um contencioso com as restantes misericordias por causa do estado usar esse nome.

É o estado quem nomeia os dirigentes e em ultima analise quem administra a misericordia de Lisboa.

As restantes misericordias do pais estão ligadas à igreja catolica embora tenham bastante autonomia em relação à hierarquia.

António Maria
De Nuno Barreto a 29 de Março de 2006 às 21:37
Ora aí está. Para praticar aquilo que a Bíblia diz (ajudar os outros), violam outros mandamentos.

Comentar post