Sábado, 4 de Julho de 2009

"We`re still Sonic Youth. I still don`t know how to play the guitar."

À medida que se foram separando, comecei a marcar o período de vida útil de uma banda em dez anos, certinhos. Clash, Pixies, Blur, Pavement para começar com o que ainda continuo a ouvir todos os dias, e também as que não terminam, como dEUS (estes ainda foi mais curto) ou Radiohead, que sendo incapazes de fazer uma coisa má, não me devem voltar a impressionar como no período Bends - Hail to the Thief. Dez anos deve ser o período máximo em que quatro ou cinco pessoas conseguem estar de acordo sobre um assunto. Claro que um Beck ou um Bowie se aguentam mais tempo, mas também mudam as pessoas à volta. Até as bandas do Miles Davis duravam dez anos, ao fim dos quais despedia toda a gente e contratava novos. Eu já pensei muito nisto, é como a questão da faixa dois e cinco serem sempre melhores que as outras nos álbuns, escusam de vir apresentar argumentos.

Os Sonic Youth não mandam isto tudo por água abaixo porque são uma família daquelas muito funcionais em vez de uma banda. São aparentemente felizes lá uns com os outros, recebem bem os amigos (Malkmus, Cobain, J Mascis, etc.), nunca diminuiram pessoas quando faziam versões que podiam puxar um sorriso maldoso (Madonna e Robert Palmer), dá ideia que são, enfim, boas pessoas. Nada disto produz bons discos, mas ajudou de certeza a passar a regra dos dez anos. E duas vezes, quase três.

Há várias proezas nos SY, mas a que me tem impressionado nos últimos anos, é a aceitação e o consenso, ainda mais que nos tempos do Dirty, tudo sem um único golpe de rins. Está aqui a mesma banda e estilo que se ouvia em Evol e Sister. É até um bocado injusto que se diga que os SY são agora uma banda de canções, não só porque sempre lhes ouvi canções, mesmo com vários intervalos a la Sonic Death, como se parece querer sugerir que o experimentalismo (a única circunstância em que não tenho vergonha de dizer experimentalismo é a falar de SY) já está lá para trás. Há ali num artigo para o qual eu já forneço o link, uma frase de um Malkmus preocupado com mudanças nos SY nos noventas, e não é o experimentalismo que o atormenta: Malkmus (...) was driving us somewhere. We were playing it in his rental car, and he said, ‘I hope you guys don’t leave the power of the song behind.’ He liked Sonic Youth as a songwriting band—he had a sort of charming concern about it.

Só estou a ouvir o Eternal há dois dias e estou muito bem disposto com tudo. Este disco deve dar grandes concertos de rock, agora parece que há vozes a harmonizar (vejam só...), há baixista novo (novo em discos). Se a cada disco novo de SY uma pessoa disser que é o disco do ano, vai ter sempre uma boa probabilidade de estar certo.

 

Entretanto está aqui o tal coiso.

publicado por Sérgio às 16:10
link do post | comentar
1 comentário:
De Proletário a 8 de Julho de 2009 às 20:36
Pelo menos só anuncio um disco do ano de três em três anos, que é para ser um rapaz modesto e coerente

Comentar post

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO