Sexta-feira, 17 de Outubro de 2008

I'm amazed

 

Estávamos em casa do camarada Padilha, e a falta de assunto levou-nos ao sempre inevitável caso de eu me pôr a inventar assuntos cujo mérito, reconheço,  é, por vezes, digamos, pouco propositado. Não é, felizmente, o caso de eu pertencer à sábia minoria dos que acham que o Outubro que nos atravessa está estupidamente quente. Pois sobre isto me deu para cogitar, enquanto os grilos grilavam lá fora. 


Aqui faço um parênteses sobre o facto de eu ter nascido numa cidade que, não sendo do campo, estava bem mais perto da Tv Rural do que do Hip Hop. Daí que as criaturas da mãe natureza não são para mim ovnis tão absolutamente estranhos como as galinhas para os petizes da cidade que se iniciam agora na sua vida magalhânica. 

 

Dada esta condição geográfica - indispensável para toda a formulação - ( e olhem que esta é longa e chata e dever ter mais gralhas que a minha paciência para as detectar) tenho como certo que grilos e cigarras cantam no Verão e calam-se no início do Outono. Mandamento este que o presente esfreganço patal e caudal dos impertinentes  insectos vem pôr em causa, demonstrando de forma óbvia e inequívoca que já não há Outono e que a puta da bola azul está mesmo a aquecer como o diaxo.  

 

Mas como sou um homem de honestidade intelectual irrepreensível e tenho plena consciência de que este saber remonta a tempos que não consigo já evocar, fui informar-me a essa argamassa do conhecimento superficial que é a wikipedia, a bendita amiga das respostas prontas na hora.

 

E aí, meus caros, começou o deslumbramento;

 

Inaugurei a pesquisa pela cigarra, e aí está a primeira confirmação da relação entre o calor e a sinfonia dos primos do gafanhoto (desculpem lá mas não há pachorra para links):

 

Average temperature of the natural habitat for this species is approximately 29°C.(84°F). During sound production the temperature of the tymbal muscles were found to be slightly higher.[5] Cicadas like heat and do their most spirited singing during the hotter hours of a summer day.

 

Contente que estava com esta pequena vitória, passei aos grilos, para descobrir de que forma de vida descendeu Mozart - ao contrário da maioria de nós, que derivamos imediatamente do chimpanzé:

 

There are four types of cricket song: The calling song attracts females and repels other males, and is fairly loud. The courting song is used when a female cricket is near, and is a very quiet song. An aggressive song is triggered by chemoreceptors on the antennae that detect the near presence of another male cricket and a copulatory song is produced for a brief period after successful deposition of sperm on the female's eggs

 

Mas não nos detenhamos com parvoíces, o que realmente interessa é isto:

 

Crickets chirp at different rates depending on their species and the temperature of their environment. Most species chirp at higher rates the higher the temperature is (approx. 62 chirps a minute at 13°C in one common species; each species has its own rate). The relationship between temperature and the rate of chirping is known as Dolbear's Law. In fact, according to this law, it is possible to calculate the temperature in Fahrenheit by adding 40 to the number of chirps produced in 15 seconds by the snowy tree cricket common in the United States.[1]

 

 

Para chegar, agora sim acaba-se com isto, à brilhante conclusão de que a forma mais barata e eficaz de controlar os efeitos do efeito de estufa e mais o raio do quentinho e os furacões e o raio que os parta a todos, é pôr uns milhares de grilos encostados a um microfone ligado a um computador melhorzinho que um magalhães que consiga contar o ritmo a que os grilos se esfregam. Três urras ao senhor Dolbear!!!

 

Dolbear's Law states the relationship between the air temperature and the rate at which Snowy Tree Crickets, Oecanthus fultoni, chirp[1]. It was formulated by Amos Dolbear and published in 1897 in an article called The Cricket as a Thermometer. Dolbear expressed the relationship as the following formula which provides a way to estimate the temperature TF in degrees Fahrenheit from the number of chirps per minute N:


T_F = 50 + \left ( \frac{N-40}{4} \right ).

This formula is accurate to within a degree or so when applied to the chirping of the snowy tree cricket.

Note that we can speed up counting by simplifying the formula and counting the number of chirps produced in 15 seconds (N'):


\,T_F = 40 + N'


Reformulated to give the temperature in degrees Celsius, it is:


T_C = 10 + \left ( \frac{N-40}{7} \right ).

The above formulae are expressed in terms of integers in order to make them easier to rememberthey are not intended to be exact.

The chirping of the more common field cricket is not as reliably correlated to temperatureits chirping rate varies depending on other factors such as age and mating success.


publicado por Proletário às 02:19
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO