Terça-feira, 4 de Março de 2008

Os Vampiros...

Dentro da temática do laboratório, venho hoje falar-vos sobre análises clínicas, essa coisa que de vez em quando o médico de família nos manda fazer. Parece simplesmente um assunto desagradável, mas é bem mais que isso.
Começa pelo jejum, talvez a parte que menos me chateia apesar de detestar sair de casa sem comer. Acordo sempre com uma fome daquelas capazes de comer um boi inteiro e custa ter de me arrastar até ao laboratório, que felizmente fica já ali ao fim da rua. Tenho também que admitir que só com o pequeno almoço diluo uma grande parte do mau humor matinal. O que acontece nos dias de análises é que tenho de me esforçar para não insultar o vizinho que passa por mim na rua ou o tipo da tabacaria que teima em me cumprimentar. Faço um esforço e só respondo em monossílabos o que não facilita a comunicação mas permite-me comprar tabaco no dia seguinte. Depois começo por estranhar como a recepcionista percebe o que a minha médica de família escreveu. Não era suposto só médicos de farmacêuticos perceberem aquela escrita cuneiforme? Tento acalmar-me e espreito o programa da manhã da TVI que quase me faz explodir de raiva. Ora, estas coisas não podem fazer bem ao sangue de um tipo!
Após a espera mandam-me entrar. Começa o filme de terror. Digamos que se eu fosse Peter Jackson no início dos anos 90, teria feito um filme sobre análises clinicas. Cem minutos de tipas de bata branca a fazer pontaria às veias do braço. Aliás, todo o imaginário dos vampiros nasceu num laboratório destes. Há mais alguém que passe o dia a roubar sangue das veias das pessoas e ganhe a vida com isso? Aliás, defendo que o primeiro laboratório deste género foi na Transilvânia e pertencia ao famoso Dr. Drácula. Vou confessar que só existe uma maneira de me controlar e não sair dali a correr sempre que a bata branca começa a preparar a agulha, a seringa, o garrote e os outros objectos de tortura legais. Olho para o tecto e penso em sexo. É a única altura que tenho de me esforçar para pensar em sexo e não me excito minimamente, o meu cérebro não se deixa enganar a esse ponto, sabe que a qualquer momento irá sentir a picada e depois o mosquito gigante começa a sorver o meu conteúdo. Quando a agulha sai do meu braço não consigo evitar olhar para os litros de sangue que me roubaram e percebo também nessa altura porque nos pedem para ir jejum, evita-se assim que o paciente vomite em cima da bata branca do vampiro.
Mas ainda não acabou. Aliás a parte mais ridícula aparece depois do sangue sair, quando me perguntam se trouxe urina. Como queriam eles que eu a trouxesse? Numa garrafa? Ia pela rua com uma garrafa de mijo sorrindo às pessoas e dizendo “Foi a primeira da manhã! Não tem uma bela cor? Com tanta espuma até parece cerveja!”. A coisa torna-se hilariante quando me dão dois tubos onde não cabe o meu mindinho e pedem que “faça” lá para dentro. Há várias coisas aqui que não batem certo. Primeiro não sou daqueles tipos que funcionam sob pressão, depois mal acordo corro para a casa de banho e demoro meia-hora a mijar tudo que a minha bexiga produziu nas hora de sono, e para acabar não percebo como querem que consiga acertar no tubo, se às vezes a sanita é estreita imaginem o tubinho. Enfim, é uma porcaria. Primeiro tenho de me concentrar para inventar vontade, depois controlar a fome e depois de conseguir acertar no tubo tenho de parar a tempo a pressão e passar para o outro tubo igualmente minúsculo. Ora a coisa não pode correr bem e demora sempre mais do que eu queria. Acaba comigo a lavar as mãos ainda amareladas da urina, passar os tubos por água e enojado passa-los à bata branca que me entrega um talão com a data para ir levantar as análises.
Engraçado é que saio sempre do laboratório muito mais bem disposto. Parece que enfrentei um monstro enorme e sai de lá com vida. Normalmente comemoro a vitória na pastelaria mais próxima.
publicado por Manuel Padilha às 12:30
link do post | comentar
4 comentários:
De outroscaminhos a 4 de Março de 2008 às 18:35
Muitos parabéns pelo destaque e pelo blog!

Visite-nos pois tb fazemos parte do grupo de blogs em destaque :)
De pedrocs a 5 de Março de 2008 às 11:51
Ter medo de agulhas é tão gay.
De Manuel Padilha a 5 de Março de 2008 às 19:45
E não ter é tão meia laranja.
De MP a 30 de Novembro de 2009 às 16:56
1º ter medo de agulhas....é realmente de homem...ai sra dra cuidado que eu desmaio....maricas....
2º se não faz em casa a sua urina, para um boião que tem maior diametro(e que se compra na farmácia), contenta-se com o que aparece....
3º tem razão que os médicos têm uma letra de medo....no entanto temos de saber lê-la (nós tec de analises) para saber que tubos colher....
4º tipico de homem...não são litros....é SÓ 10ml mais coisa menos coisa....

Comentar post

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO