Segunda-feira, 18 de Julho de 2005

Ainda uma adenda à adenda à adenda

Sem querer, de todo, polemizar mas já polemizando; pedindo o perdão do Companheiro Comboio por desenterrar um assunto que o colega já havia obituado, gostaria de sublinhar os argumentos do Proletário sobretudo no que diz respeito à série Anjos na América. Esta pequena grande série desafiou como nunca o “cruzamento com outros géneros”, superando o desafio com altas honras e glórias mais-que-merecidas; reinventou o conceito de produto televisivo, reinventando pelo caminho a forma como todos nós, espectadores, olhávamos para a morte, a SIDA, os homossexuais, os bissexuais, os normais, a dor, o judaísmo, a América, Nova Iorque, o poder, o cristianismo, o mormonismo, o medo, o horror do desconhecido, do diferente, a angústia do fim inevitável…

É claro que estamos aqui a falar de um produto muito peculiar no sentido em que é baseado na peça de teatro Angels in America: A Gay Fantasia on National Themes que granjeou ao seu autor, Tony Kushner, um Pulitzer e dois Tony Awards. Ao dramaturgo todo o mérito da excelência dos diálogos. Complexos e espontâneos como só os muito, muito grandes. Como Tenessee Willians, Eugene O’Neill, Edward Albee… Mas - e aqui está o ponto em foco neste post - todo o mérito também para quem adaptou tudo isto ao meio muito particular que é a Televisão. E esse alguém foi Mike Nichols. Não por acaso, o mesmo senhor que quase 40 anos antes, em 1966, havia adaptado Quem tem medo de Virginia Woolf? (de Williams) ao Cinema. E que tal como fizera com Elizabeth Taylor e Richard Burton nessa ocasião, soube tirar de Al Pacino, Meryl Streep e Emma Thomson das melhores (senão, As melhores) interpretações das suas carreiras. Com uma grande diferença: tudo isto ser agora apenas para televisão. Esse pequeno ecrã, reservado a temas menores, para espectadores de mentes minúsculas, com capacidades de concentração infinitesimalmente reduzidas…

Desconfio que, depois do sucesso internacional de Angels in America, nunca mais o espectador de Televisão será subestimado. Seven Feet Under e Lost (que, não tendo visto, arrisco sem medos aqui incluir baseando-me na prezada opinião do camarada Comboio) aí estão para o provar…
PS: Para aqueles que eu eventualmente haja convencido com esta arenga e não tenham melhor destino a dar a seu subsídio de férias, sei que há uma DVD BOX com a edição integral da série Anjos na América...
publicado por O Escravisauro às 17:09
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO