Sexta-feira, 18 de Agosto de 2006

Enquanto estavas tão bem na Silly Season...

... morriam uns mil no Líbano e mais uns 200.000 mil em Darfur, no Sudão, como bem aponta o maradona num post recente, e no qual estou de acordo sobre o escandaloso olvido a que se remetem estas vidas humanas e pouco mais. De resto, a perspectiva mais que enviesada da comunicação social explica muita coisa.

Desde já, portanto, as minhas desculpas pelo importúnio do seu verão europeu, pacifico e despreocupado.

Quanto ao teus argumentos, metade deles não os percebo. Leio e chego ao fim e não percebi. Fizeste-me lembrar em certas partes os longos, obtusos e inócuos parágrafos dos livros do Adriano Moreira. Enfim…

No que percebi:

1. Não ponho a vilania ou virtude em parte alguma. Não sou maniqueísta. Chego até a dizer que Israel tinha “superioridade moral” sobre os seus oponentes. Pelo que essa não colhe.
2. A comparação com o Curdistão é totalmente inválida. Dum lado tens um povo, os curdos, que habita a sua terra ininterruptamente desde tempos imemoriais e do outro os judeus andam na diáspora desde o século II, tendo começado a regressar a uma terra ocupada por outrem há cem anos com o inicio do movimento sionista. É comparável? Não me parece.
3. Israel “nasceu numa situação de instabilidade e de violência, que infelizmente ainda dura” e de uma forma completamente artificial. Esqueceste-te de referir esse ponto que não é comum a “todos os Estados e a todas as fronteiras do mundo” mas apenas àqueles que continuam a dar merda, como os do mapa cor-de-rosa em África.
4. A minha solução não é uma piada mas uma sugestão válida de alguém que já não acredita na paz no presente status quo. É necessário algo que o altere radicalmente. Se consideras a minha solução como perigosa é porque consideras o Estado de Israel na sua presente disposição como uma inevitabilidade histórica. Coisa que não aceito e não compreendo. Deverei lembrar-te, a título de exemplo, que a última vez que o Montenegro foi independente foi para aí uns bons 30 anos antes da fundação de Israel. E olha quem voltou!?

A História é um constante devir, o tal rio do velho Heraclito. E as mentes curtas são as rochas que importunam um fluxo inexorável que, nunca sereno, podia ser bem menos tumultuoso. Mentes abertas resolveriam muitos conflitos antes destes sequer acontecerem.
publicado por O Escravisauro às 19:02
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO