Terça-feira, 12 de Dezembro de 2006

Live from Sampa

1. O Bairro da Liberdade, a pequena Tóquio da América do Sul. Delicioso ver velhinos japoneses de mais de 80 anos sorvendo Brahmas nos botequos. Insólita imagem. Olhares miudinhos de sobreviventes, quiçá sobreviventes de Nagazaki, em amena cavaqueira entre chopes e salgadinhos. Por outro lado, soube pela Folha de S. Paulo que até há pouco ainda se reuniam os mais nacionalista em bares aqui em Sampa para beber sake, cantar hinos ao grande Império Nipónico e louvar as façanhas dos kamikazes que eles próprios por pouco não foram. Salvos pelas bombas. As duas que forçaram a, ainda e sempre a seus olhos, traidora rendição. As bandeiras e as fitas patrióticas ainda as guardam nos armários e empunham garbosos para a foto do jornal.

2. Igreja de Santa Cruz dos Enforcados. Localizada no antigo Largo da Forca, última visão de muitos escravos foragidos e de outros fora-da-lei. Celebração do meio-dia. Um homem de meia idade chega no fundo da igreja onde estamos e coloca uma pasta de negócios no interior do confessionário. Ajusta duas cadeiras em ângulo de 90 graus um pouco mais atrás. Veste os paramentos de sacerdote, função que até aí seria impossível (mesmo improvável) adivinhar-lhe e monta o seu estaminé para a práctica informal do sacramento de remissão dos pecados. Ao sairmos, reparamos que já tem freguesia. Escuta as faltas de uma fiel abanando a cabeça compreensivo enquanto simultaneamente digita no seu telemóvel uma mensagem escrita. A pecadora não parece importar-se. Quiçá o sms seja directo para Deus, expeditando já o seu perdão.

3. São Paulo e Nova Iorque são cidades gémeas. As suas áreas financeiras em tudo se assemelham. Até nas suas excentricidades. Entre as sedes dos maiores bancos da América Latina, do edifício da Bovespa (a bolsa de valores) e outros símbolos de capitalismo desenfreado o que é que vemos caminhando pelas ruas: um grupo de frades franciscanos directamente saídos da idade média, de um romance do Umberto Eco, de um anúncio da Super Bock Abadia. Os frades vestem os hábitos mais andrajosos de todo o clero de todo o sempre, andam descalços e exibem nos altos das suas cabeças a careca monástica, a tonsura completa que achava não mais se praticar. Estes frades são mais radicais que punks e mais marginais que qualquer freak português. O nosso espanto quase se converte numa fotografia despudorada mas limitamos o ímpeto. Ficam estas palavras de quem cruzou com agrado Ipiranga, Avenida S. João.
Tags:
publicado por O Escravisauro às 22:04
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO