Quarta-feira, 19 de Julho de 2006

"She scans the room for a star to consume"



Chegou aos escaparates o melhor disco lançado este ano. Sim, assumo o que digo, o disco do ano. Os autores da proeza já andam nisto há 25 anos. A banda chama-se Sonic Youth e o disco “Rather Ripped” é o 20º da carreira. Ao vigésimo disco, é suposto já não haver muito para dizer sobre uma banda. E é esse o maior defeito que se pode apontar aos SY. É o de andarem nisto à tanto tempo que, às tantas, até o fã mais empedernido (sim, também assumo) deixa de se surpreender.
Mas depois um gajo relativiza e a prova vem nas perguntas que surgem no horizonte, assim do nada. Quem, no rock actual, tem uma voz que se compare à de Kim Gordon? Experimentem ouvir a faixa inicial do disco “Reena” ou “Turquoise Boy”antes de se pronunciarem. E quem, e esta não admito discussão, no rock actual, toca bateria como Steve Shelley? Um mestre de precisão, que é obrigatório ver ao vivo. Quanto aos guitarristas (e vocalistas) Lee Ranaldo e Thurston Moore, admito que quem considera o feedback de uma guitarra com mero ruído os possa odiar. Mas não se lhes negue a destreza para levar aos limites essa tão descurada arte.
“Rather Ripped” continua a senda de “Sonic Nurse”, o anterior registo da banda, que volta a pôr o quarteto de Nova Iorque (de regresso à formação clássica após a saída do guitarrista/baixista/produtor Jim O’Rourke) na rota do registo canção. São dois discos que permitem aos que nunca ouviram os Sonic Youth entrarem de mansinho num território hostil. É que estes meninos resolveram fazer tudo ao contrário. Começaram em 1981, e depressa ganharam o estatuto de estrelas do rock alternativo. Só em 1990, ao nono disco, assinaram por uma multinacional, mas foi preciso esperar mais dois anos para a banda lançar o seu álbum mais “comercial”. “Dirty” explodiu numa época em que o mundo se extasiava com “Nevermind” dos Nirvana, uma das bandas que os SY apadrinharam.
O disco seguinte podia ter ido o começo de uma carreira nos tops, mas os SY resolveram baralhara as coisas. “Experimental Jet Set, Trash and no Star”, de 1994, recolocou a banda na prateleira do rock alternativo. A partir daí, os sónicos fizeram uma série de álbuns francamente ruidosos, que não deixavam margem de manobra aos ouvintes. Ou se tinha a semente germinada para acompanhar as colheitas, ou a coisa ficava definitivamente arrumada na prateleira dos demasiado esquisitos.
Talvez “Sonic Nurse” e “Rather Ripped” cheguem demasiado tarde. O rock de hoje faz-se de revivalismos (nada contra, há muito boa gente a fazê-lo) mas os SY nunca precisaram de se citar a si próprios. Não inventam a pólvora. Divertem-se a fazê-la explodir cirurgicamente no preciso momento em que é preciso fogo de artifício. O primeiro vídeo do disco está disponível aqui.
publicado por Proletário às 02:28
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO