Sexta-feira, 2 de Novembro de 2007

Meus caros, eu vi a "Corrupção"

... e posso confirmar que é a coisa mais feia a 2 dimensões em que pus a vista em cima nos últimos tempos e isso inclui a colonoscopia do meu vizinho da cave esquerda. Não perguntem porque raio visionei tal exame médico pois não vim aqui falar de cinema documental mas sim do futuro do cinema comercial em Portugal segundo o senhor Alexandre Valente. E esse futuro, meus amigos, é negro… Mais negro que o ânus do Sr. Neves, um homem com graves problemas no terço inferior do intestino.

Antes de mais merdas, passo a explicar que decidi ir ver o filme (em tão infame quanto arrependido desrespeito pelas sensatas recomendações d’ A Esposa) pois mantenho uma pontinha de admiração pelo Sr. João Botelho desde que vi o “Aqui na Terra” há muito, muito tempo, apesar da basta porcaria que ele vem fazendo mais actualmente. Admito também que, num momento de fraqueza, a operação de marketing/polémica/publicidade montada pelo produtor tenha penetrado o meu cérebro através de um qualquer soft spot ainda não identificado mas que desconfio se chama “mamas”.

Enfim, lá fui e o que vi é francamente mau. E o Sr. Botelho não fica menos mal na fotografia por ter tirado o seu nome daquele monte de esterco à última hora, quando a coisa já fedia o suficiente para intoxicar um exército de terracota. Se a montagem é um nojo, a iluminação um nojo é, a direcção de actores uma fantochada, os enquadramentos uma piada, os cenários primários, os diálogos pouco mais que palavrões intercalados com proposições, o enredo é um ultraje à inteligência de uma criança de 10 anos, raccord não existe, talento nem se fala, a arte não mora aqui e mesmo o simples entretenimento não é visto nem achado.

Aqui ficam dois exemplos da mais pura e boçal imbecilidade, que são, penso eu, da inteira responsabilidade do realizador que não o é: (1) para simular os devaneios paranóicos e depressivos de Sofia (Margarida Villas-Boas/Carolina Salgado) a genial realização coloca umas mãos à frente de um holofote a fazer sombras chinesas (ou seriam efeitos especiais computorizados?) sobre a cara da actriz, que se contorce, geme, esbugalha os olhos, sem nunca descurar a boquinha de broche que marca as suas carreiras (a da Margarida e a da alternadeira; aliás, numa coisa seja feita justiça: elas estão bem uma para a outra); (2) para ilustrar um salto de cerca de 6 meses na narrativa, a realização opta pelo originalíssimo recurso de filmar em grande plano um calendário do qual se arrancam folhas e ao qual depois alguém atira um balde de água para simbolizar a chegada do Inverno. Brilhante!

Com Inverno ou sem Inverno, o descontentamento era patente na fronha de todos quantos levantavam os rabos dos confortáveis (valha-nos isso!) assentos do Londres. Pelo que me toca, rezo a todos os santinhos para que iluminem a inteligência dos portuguesas com uma lâmpada de mais watts do que aquela que me dispensaram ontem à noite, para que o fiasco financeiro seja grande e fundo, para que o Sr. Valente perca logo a casa no Alentejo que hipotecou para produzir aquele aborto. Merece isso, muito mais e pior.

Por último, uma razão para não chorar. Do mal o menos: não há dinheiros públicos investidos nesta coisa a que chamaram filme… Só o dinheiro particular de papalvos como eu.
publicado por O Escravisauro às 14:04
link do post | comentar
3 comentários:
De O Escravisauro a 5 de Novembro de 2007 às 13:44
não, caro anónimo, não vi essa pelicula. Porque pergunta?
De Anónimo a 5 de Novembro de 2007 às 10:51
¿Viste GAL (2006) de Miguel Courtois?
De Illusion a 30 de Novembro de 2007 às 14:28
Não estou nada de acordo...pior que o filme é a linguagem e a falta de visão deste blog'ista. Trata-se de um filme sobre um livro que vale o que vale: esperava o quê? Milagres só Deus, nem mesmo Botelho nem Pinto da Costa!

Comentar post

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO