Quarta-feira, 19 de Julho de 2006

Os Termalistas

Em visita às termas do Gerês, encontrei um mundo novo onde as grandes mudanças se evidenciam no quotidiano do povo local, os Termalistas. Termalista é um nome que me passou a fascinar. Os Termalistas soam a corrente artística que defende o retorno à cura dos males pela natureza e à expressão artística tradicional, usando as mais antigas técnicas e materiais, mas na verdade são apenas pessoas velhas e doentes, ou novas e doentes, mas quase sempre doentes ou convencidas que estão doentes, que se podem dedicar a tempo inteiro à sua cura. Para tal têm de aceitar novas regras e um mundo consideravelmente diferente do normal. Por exemplo, as refeições são servidas no local da estadia do termalistas respeitando os seguintes horários:
pequeno almoço das 7h30 às 10h

almoço das 11h30h às 13h30
jantar das 18h30 às 20h
chá às 21h

Mesmo estando vinculadas com os tratamentos, as refeições alteram o metabolismo das pessoas que procuram cura para os seus males e transformam-se num pesadelo insuportável que tem de ser pedido e marcado com uma antecedência surpreendente. Isto para depois servirem costeleta de vitela como sendo dieta.

Há também apenas uma farmácia para toda a população residente. Mesmo com a média de idade local acima dos 65 anos. Se há algum medicamento que não exista em stock no local, os doentes têm de se deslocar bastante para encontrar concorrência.
No hall de entrada das residencias podemos sempre encontrar idosos quase imobilizados ofegando os quase 40º à sombra que se fazem sentir nos meses de verão. A televisão e a água são as suas companhias. No centro de turismo não há mapas com os trilhos e carreiros da serra. Afinal de contas nenhum dos termalistas presentes conseguiria subir uma ravina durante 40 minutos.
As termas só por si são divertidas. Resolvi experimentar algumas das ofertas locais e foi uma loucura imensa. O banho escocês não mais que um nome pomposo para mangueirada. Esguichos de água quente massajam o corpo vertical e horizontalmente. O esguichador de serviço vai pedindo para o receptor dos esguichos se virar e vai-lhe mandando água com pressão para cima. Profissão interessante. Também deve ter um nome pomposo, tipo Técnico de Massagem com Água Pressurizada. Imaginei que o tipo de quando em vez deve errar no alvo e provocar fortes dores testiculares aos termalistas mais azarados.
Há também as massagens. Imaginei a quantidade de tesões que surgirão durante as massagens. Felizmente no fim da massagem a massagista (quando é séria e de boas famílias), abandona o local da massagem ainda antes do massajado se levantar. Não fiquei com tesão, mas as minhas costas adoraram as festinhas. Senti-me um cão. Só não rebolei e arfei porque também eu sou de boas famílias. Uma festarola. Uma falha desnecessária. Tive de descer no elevador com a massajista. Deviam haver elevadores separados para os termalistas e para as massagistas, principalmente quando estas não são modelos escandinavos. Digamos que ela era muito mais agradável estando eu de bruços sob a maca. A outra questão é que não há conversa de jeito possível depois de uma boa massagem. Perguntou-me: "Está bem?", ao que eu respondi, "Óptimo". Estava a ser tão sincero que não gesticulei palavra até ao abrir das portas do elevador e do cortês, "Faça favor", que por norma requer como resposta um "Obrigado". Imaginei que seria a mesma conversa possível entre uma puta e um cliente. Senti-me ainda mais ridiculo naquele robe branco com a chave do cacifo na mãe. Aconselho também um banho para tirar a nhanha da massagem, cujo nome pomposo é Creme de Massagem.
Alguns termalistas geresianos visitam também os pontos de interesse regionais nos curtos intervalos entre as refeições e os tratamentos. Na verdade as aldeias locais têm nomes pouco apelativos como Brufe, Valdozende ou Cibões. Nesses sítios os animais ainda andam soltos pelas ruas, as crianças brincam na estrada, todas as casas são de pedra e há mais cavalos que automóveis.
Há também Calcedónia, um povoado fortificado da Idade do Ferro, ocupado pelos Romanos e abandonado pouco depois ninguém sabe porquê. Quase todos os termalistas se recordam de Calcedónia habitada só ninguém se lembram porque se foram embora os Calcedónios.
publicado por Manuel Padilha às 01:57
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO