Segunda-feira, 10 de Julho de 2006

Little Italy

Vi a final de ontem em circunstâncias excepcionais. Em primeiro lugar dei por mim a torcer genuinamente por uma das equipas, felizmente para mim por mais duas razões do que a de vingança (que existia e muito). Em primeiríssimo lugar por ter um par de amigos italianos que moram em Lisboa. Era razão suficiente para ter engolido qualquer tipo de despeito se tivesse sido necessário. Desejaram sempre estes italianos, de coração, ver Portugal na final com eles, como aliás eu próprio o fiz (penso que nenhum de nós sabia no que se estava a meter ao pedir tal desígnio). E num muito distante segundo, embora penso que empatado com o despeito por termos perdido com a França, o facto de gostar da competência italiana a jogar futebol, e neste Mundial portaram-se bem sempre que foi necessário.

Combinados de boca em boca, dei por mim a encontrar com dificuldade um largo muito fechado perto da Voz do Operário, o Largo de Santa Marinha, com um muito artesanal ecrã onde seria projectado o jogo. Muitas bandeiras italianas, muitos italianos e italianas, cadeiras organizadas, uma banca com cerveja e bifanas (tudo a um euro e meio). Gente a jogar com uma bola azul enquanto esperavam, muitos jornais cor-de-rosa grandes. Nenhum francês, que eu notasse.

O primeiro apontamento foi notar que eu possuía a maior barriga de todo o largo e embora pudesse até ser a pessoa mais alta presente, não era nada que se pudesse assegurar com certeza. As muitas italianas, para além de inacreditavelmente giras vestiam a roupa mais simples que se pudesse imaginar. Entre o ligeiramente freak e a t-shirt e calça de ganga. Mas com cabelos que só vi em casamentos e rostos que, foi-me afiançado por quem sabe destas coisas, estariam preparados para uma sessão fotográfica de emergência que eventualmente surgisse naquele local ao intervalo. Alguns dos gajos com a bola pareciam saber o que faziam, mas não todos.

Durante todo o jogo tive alguma inveja por tudo aquilo. Imagino que seja mais fácil a festa tornar-se enorme quando estamos no estrangeiro, mas era mesmo um ambiente impressionante. Percebi, agora que prestei atenção, que há uma parte do hino em que se deve gritar 'Vitória' a plenos pulmões, um pouco como o nosso 'às armas', pensei, mas cantado de uma forma ligeiramente diferente, não sei dizer muito bem como. Havia tachos, apitos e buzinas e todo o tipo de dispositivos para fazer barulho o que me assustou um pouco a princípio, mas sem razão. Rapidamente percebi que os italianos gostam de ver futebol. Eles e elas, comentam com calma, entusiasmam-se muito, gritam e apitam sempre no momento certo. Não ligam puto às repetições (pelo menos a centena que lá estava) e em nenhum momento tinham dúvida se era falta, fora-de-jogo, bom ou mau remate. Quando o Materazzi marcou o golo eu tinha ido buscar cerveja e estava de frente para a multidão que explodia, como todas explodem e já eu próprio comemorava o golo como se fosse meu. Apesar de tudo, o Materazzi continuava pouco apreciado (penso que não há adeptos do Inter) e mesmo no momento de expulsão do Zidane, muito comemorada, ninguém louvou a provocação que Materazzi terá feito (faziam-se especulações interessantes, no entanto).

Entregue a taça e o largo rapidamente esvaziou. À medida que a bandeira de três por quatro metros feita em casa ia descendo a rua em direcção à Baixa, ia saindo de nós os que ficámos lá em cima, a sensação de ser estrangeiro que durou aquelas três horas e voltava a normalidade (de domingo, ainda por cima), não sem antes ouvir às pessoas da banca que lhes comprássemos as bifanas que tinham sobrado, o que acedemos a fazer, depois de devidamente regulado o preço pela sempre fiel lei da oferta e da procura.
publicado por Sérgio às 19:02
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO