Sexta-feira, 18 de Agosto de 2006

Em dois anos e tal de blogue nem uma linhazinha de política escrevi. Estava tão bem na silly season.

Isauro, amigo, com essa do erro moves-te em terrenos muito armadilhados e não sei se suficientemente reflectidos. Concordo, claro, que todas as guerras a que assistimos de há uns quinze anos para cá são instrumentalizadas para obter vantagens estratégicas, enfim, Poder. Sobretudo pelo lado ocidental. Mas também é muito claro que os grupos terroristas e, evidentemente, os que se refugiam no Líbano e estão neste momento já a financiar a reconstrução de cidades,não fazem senão escancarar portas ao ocidente para que opte por esses caminhos. E estão a fazê-lo a toda a barda, de modo a que muito rapidamente possam ser os países que dizem defender a envolver-se nos conflitos e não essa gente, que tão depressa alimenta as populações em cujas cidades se esconde, como as usa como escudo e argumento para a infâmia ocidental.

Os governos dos EUA e de Israel actuais são talvez os mais belicistas das suas Histórias (enfim, Israel nunca teve diplomacia propriamente dita, mas também nunca se viveu no Médio Oriente uma paz propriamente dita). E para fazer valer os seus interesses estão a instrumentalizar questões que noutros tempos não poderiam nunca desencadear guerras. Pelo menos tão rapidamente. Até um Kissinger seria desnecessário na administração americana actual. A guerra deixou de ser resultado de um diferendo inconciliável entre dois países, e muito menos a defesa dos direitos humanos dos povos, e passou a ser - tem sido - uma caça policial a criminosos que se escondem em países que escolhem acolhê-los. Entendo que, tendo que sobreviver, o auxílio de uma organização que diz lutar pelos direitos do seu próprio povo, seja mais atractivo que o de uma potência ocidental nada digna de confiança na história muito recente.

Irrita-me bastante a ladaínha da luta pela democracia global, das AMD, dos soldados raptados e de qualquer outra desculpa para fazer a guerra que virá a seguir, e que vimos sempre a descobrir ser falsa, mas não somos meninos. Há razões claras e estratégicas para estas guerras se estarem a suceder. Lidas num livro de História as manobras diplomáticas de há 150 anos chegam a ser divertidas de acompanhar. Hoje é aqui e envolve-nos. O que não compreendo é como se coloca tão facilmente a vilania do lado ocidental (ou melhor isso até posso compreender) e a virtude, inocência, legitimidade (isto já não) do lado árabe. Os bons e os maus. Os ricos e os pobres.

Quanto à sugestão de resolução do problema que apresentas espero escrever pouco. Israel existe ali há 60 anos e, como provavelmente todos os Estados e todas as fronteiras do mundo, nasceu numa situação de instabilidade e de violência, que infelizmente ainda dura. A tua solução é uma piada de mau-gosto, extremista e a fugir para o perigoso. Além de que, imagino, defendes (eu defendo) provavelmente o direito à auto-determinação curda. E com um território que lhes é devido. E entre a Síria, Irão, Turquia e Iraque. Ou, dado o banho de sangue que este cenário faz prever, parece-te mais sensato trazer os 30 milhões de curdos para a Europa, afinal os grandes defensores do direito a Estado do Curdistão?
publicado por Sérgio às 18:23
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO