Sexta-feira, 11 de Novembro de 2005

O Gás é Natural


Findava o Verão e apertava a crise quando veio à conversa a conta do gás. Queixava-me da injustiça que sentia por pagar uma estimativa fixa que não me favorecia já que passava os meses estivais quase sempre fora de casa e sem cozinhar. Do amigo Fante, bom profissional da arte de poupar dinheiro veio o conselho rápido e eficaz: fazer um telefonema a actualizar informações relativas aos contadores domiciliários, quase de certeza que me devolviam dinheiro.
Passaram uns dias de azáfama e lá me lembrei de ligar para o dito número verde. Mal me atenderam fui informado que fora em 2002 a data da última leitura do contador. Confirmei que desde que instalaram gás e luz que paguei sempre por estimativa. Pediu-me então os números que constavam no fundo negro do contador da luz, junto à entrada, e do seu homólogo do gás, na cozinha.
Findou-se Setembro, passou Outubro e no passado dia 8 de Novembro, dia final de pagamentos, dá-me para abrir os últimos envelopes com contas, aqueles que no banco se descontam e não dão trabalho nenhum excepto suar o dinheiro para ser levantado da rota conta à ordem. Quando vi o envelope do gás e electricidade fiquei orgulhoso de mim. pensei; que bom que tinha sido ter dado notícias dos meus contadores ao seus proprietários e servidores de energias vitais para uma casa ser um lar. Que bom seria pagar menos já que gasto tão pouco e tenho pago em excesso. Rasguei o envelope, tirei as folhas, desdobrei as páginas e li:

EDP - 111,87 €
GDP - 4095.46 €

Acabei por me rir. Acredito que gastei mais electricidade que antes mas algo batia mal na conta do gás. Seriam as virgulas? Reli as facturas, todos os detalhes incluindo o dia de pagamento que era o próprio dia em que me encontrava e pensei como a harmonia se deslumbra no horizonte feliz que é a minha vida. Abri dossiers arquivo de 2004 e 2005, recuperei declarações e recibos desde 2002 e preparei-me para o combate telefónico. Não posso deixar de mencionar a música de espera do número comercial da Lisboa Gás. Se ouvirem a letra (o que a espera constante e consequente repetição do tema obriga), verão que a Rosa Lobato Faria estava inspirada naquele dia que rimou "coisa e tal" com "gás natural". Quando Ruben Baptista me atendeu não imaginava o que o esperava. Expliquei-lhe o meu caso extensivamente. A contagem por telefone, os anos a pagar em excesso, a casa individual onde apenas há um esquentador que funciona 10 a 15 minutos por dia e um fogão que volta e meia acolhe teias de aranhas, e para finalizar reforcei a questão do débito a efectuar no dia em que nos encontrávamos. Pediu-me para confirmar o número que constava no contador. Abri a porta de resguardo e comuniquei-lhe os números no fundo preto. Confirmou que eram próximos dos que tinha no processo e eu que tinha de pagar o valor da factura. Tentei sensibiliza-lo para o facto de gostar de judeus e não ter câmaras de gás em casa nem nenhum tipo de forno de pão industrial. Provavelmente teria sido um erro de quem leu a contagem no início do meu processo mas ele manteve-se firme que eu tinha consumido 800 contos de gás. Só me restava convocar técnicos da empresa em causa para virem observar a minha fábrica de isqueiros e estudar o porquê de tanto consumo gasoso. Despedi-me pedindo para me recordar o seu nome de forma a não arriscar voltar a ter de me confrontar com um Homo do Vale de Neander por telefone.
Respirei fundo e juntei toda a papelada para receber o técnico ao princípio da tarde do dia seguinte. Pensei que não seria complicado provar a minha inocência e não deixei que uma dívida de 800 mocas azedassem todo o chocolate e toda a ginja que consumi nessa noite.
Acordei preparado para a recepção do representante da empresa que me queria levar à falência. As folhas estavam alinhadas e preparadas para documentar toda a minha defesa quando a campainha tocou. Abri a porta, ouvi os passos e cumprimentei o funcionário. Expliquei-lhe a questão que o trazia mal vi na sua mão as ferramentas de fechar o gás. Deixou-as à porta pedindo-me para lhe mostrar o contador. Conduzi-o à cozinha explicando pormenores deste processo que o movia e abri o armário que esconde o contador. Recuei e esperei que confirmasse ele mesmo os números rolantes com o fundo negro, os a vermelho não contam, com o nervoso normal de quem se quer livrar de um problema. Ele esperou uns momentos, olhou para mim e disse: "Este não é o contador do gás, é o da água."
Dilui-me nesse momento e até agora não recuperei da minha auto-estima em estado gasoso.
publicado por Manuel Padilha às 15:53
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO