Quarta-feira, 8 de Março de 2006

LES

Ontem à noite, na 2:, passou um excelente documentário da BBC sobre montagem cinematográfica chamado The Cutting Edge. A dado momento, Martin Scorcese diz o seguinte sobre o seu primeiro visionamento d'O Acossado (sempre achei piada a esta tradução de À bout de souffle), a sua revolucionária técnica de montagem, os célebres jump cuts de Jean-Luc Godard: "I didn't understand a thing about what I was seeing. It was too sophisticated. Too hip. I'm from the Lower East Side...".

Eu também. No que sou de Nova Iorque, sou do LES (acrónimo mais estiloso é difícil). Foi ai que vivi, during MY days... Mais precisamente na esquina da Rivington com a Clinton, logo a norte da Delancey, a rua onde desemboca a Williamsburg Bridge do lado de Manhattan, vinda do bairro com o mesmo nome em Brooklyn.



Há uma cena do French Connection em que, às sete da manhã, Popeye Doyle (Gene Hackman) e Russo fazem uma espera à porta do Ratner's Restaurante, 138 Delancey Street, à entrada para a ponte. O mesmo estabelecimento foi um dia o covil de renomados criminosos como Meyer Lansky e Bugsy Siegel. Hoje é um Burger King...

O bairro sempre foi uma misturada. Outrora de italianos e irlandeses, sobretudo. Em certa rua, sob uma passagem elevada e hoje desactivada do comboio, mulheres da vida de uma e outra comunidade ofereciam, em lados opostos da via, os seus préstimos aos outros homens, que não os seus, para nunca serem vistas por familiares e amigos que também faziam por ignorar que a Giuseppa e a Siobhan vendiam os corpos para alimentar as bocas famintas da respectiva e igualmente numerosa prole. A miséria como menor denominador comum.

Depois vieram os judeus. Muitos. Milhões. Tornaram o LES o sítio do globo com mais sinagogas por metro quadrado. Até aos dias de hoje, quando após o êxodo de sefarditas e askhenazi para o outro lado da ponte, para Brooklyn, o bairro é dominado por dominicanos, chineses, porto-riquenhos, haitianos, artistas falidos, músicos aspirantes ou, a título excepcional, consagrados (soube há pouco que o Moby habita a mesma Rivington Street em que morei).

Com a abertura constante de galerias de arte instantâneas, cafés artie, lojas de roupa inexistente, restaurantes vegetarianos, à la mode, muito bons ou simplesmente pretensiosos e estupidamente caros ao lado da cucaracha dominicana que vende sopa de pollo a 1 dólar, a transformação do bairro foi e ainda é, suponho, um devir efervescente de criatividade a que deu muito gozo assistir a partir do 5º andar de um típico walk up (sem elevador) oitocentista.

Por tudo isto, compreende-se porque viver aqui nunca seria a primeira opção do Vasco, a quem aproveito para humilde e anonimamente felicitar pelo aniversário do consumado blogue. Arrisco que ele, como eu, preferiria as partes baixas da ilha. A atmosfera no Upper East Side, por definição e oposição cartesiana, a antítese do LES, sempre me fez lembrar o auditório da Gulbenkian em dia de concerto às sete horas com seus magotes de gerontes perladas de presunção, sonolência e mau gosto. Tudo bem que lá se encontram Guggenheims, Metropolitans, afins e tudo o mais... Mas eu troco isso tudo por ter o Tonic e o Living Room, inacreditáveis bares de música ao vivo pela familiaridade do ambiente e pela enormidade de quem lá toca numa base regular, mesmo ao lado de casa. Any day.
publicado por O Escravisauro às 09:25
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO