Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2005

Olh'ó passarinho!...

No domingo passado fiz coisas muito estranhas. Sensações completamente novas que nunca havia experienciado.

Passavam poucos minutos das cinco da tarde. O Sol já descia sobre a linha do horizonte. Um homem que estava atrás de mim e que eu tinha acabado de conhecer disse-me ao ouvido: “podes-te sentar agora”. O que eu obedientemente fiz, sentando-me ao colo dele sem nada dizer. Depois, deixei que ele me amarrasse tão apertadamente contra ele, à volta das coxas e sobre os ombros, que já mal conseguíamos respirar os dois. Eu sentia cada elevação do seu tórax nas minhas costas…

Felizmente, não demorou muito mais tempo até o piloto nos dar a sua autorização para fazermos o que estávamos ali para fazer. Ali, a 14.000 pés de altitude. Ali, 4.000 metros acima de Évora. A porta abriu-se de repente. Um vento muito frio começou a entrar na cabine e dela logo começaram a sair outros homens em grupos de dois e de três.

Chegada a nossa vez, troquei um último olhar com a minha mulher. O seu olhar sempre bonito transmitiu-me mais serenidade, julgo, do que o meu a ela. E de seguida vi-a cair no vazio agarrada ao seu homem sem nada poder fazer. Depois lá fui eu, amarrado por trás ao meu. Em queda livre. Em direcção à camada fofa de nuvens que não deixava ver ainda a dura crosta terrestre.

É verdade. Fiz tudo isto. Até paguei para o fazer (ainda que com um desconto). E gostei. Adorei. Para ser sincero, CURTI COM’Ó CARALHO!!!!!! E agora quero fazer outra vez.

A queda durou um minuto. Um minuto de puro voo. Um minuto de pura adrenalina. Um minuto de pura liberdade. Sem amarras. Sem restrições. Sem pensar em nada… A não o ser no totó do cameraflyer à minha frente a pedir-me para imitar as suas gesticulações estúpidas para a câmara. Como se estar ali com um gajo desconhecido colado ao nosso rabo não fosse panasquice suficiente…

Atravessamos as nuvens. Os óculos embaciam-se. Abre-se o pára-quedas e passam-nos os comandos da calote para as mãos como se percebêssemos alguma coisa daquilo. Vemos grupos de aves a voar em formação à nossa frente, o mundo lá em baixo (literalmente aos nossos pés, como numa má montagem de cinema), e pensamos “a vida é bela e a aterragem vamos lá ver!?!?...” Mas foi mesmo. De pé. Com estilo. Lindo!
publicado por O Escravisauro às 00:33
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO