Quinta-feira, 28 de Abril de 2005

Regicídio

Já não é de agora que acordo e faço a minha representação de morto-vivo durante os vinte, trinta minutos antes de sair de casa a ver aquele programa de notícias da RTP, cujo nome pode perfeitamente já ter mudado, mas que é possível que ainda se chame Bom Dia Portugal (os meus parabéns à pessoa que escolheu este nome e ao seu superior). São várias as vantagens mas lembro-me sempre de três. As notícias voltam ao princípio de quatro em quatro minutos, estou certo que no sentido de haver uma melhor assimilação dos conteúdos, a uma hora que não é fácil para ninguém. Vê-se as capas dos jornais, para mim serviço público do bom desde que deixei de passar por qualquer banca de jornais antes de ir para o trabalho. E, por fim, quando finalmente acordo (onze, onze e meia), nunca sei bem que notícias ouvi realmente e com quais sonhei, o que torna muito mais empolgante ir ler jornais depois de desperto. Não tinha planos de ter uma introdução tão longa, até porque não vim aqui falar bem da RTP, antes pelo contrário. Hoje ouvi no dito programa que, a partir de agora, há nova legislação que regula a Comercialização do Bacalhau e espécies afins, salgados verdes e secos. Aconselho a leitura, pelo menos, da nota de imprensa do ministério, onde se fica a saber que o bacalhau da Gronelândia é bacalhau mas o bacalhau do Ártico é uma espécie afim. Continuo é a disparatar, vamos lá ao essencial. Resumindo e, provavelmente até, aldrabando um pouco a lei (lá atrás disse que estava a disparatar mas é mesmo verdade que o bacalhau da Gronelândia é bacalhau e o bacalhau do Ártico é espécie afim), posso dizer que o bacalhau seco e semi-seco cortado deve estar acondicionado a 7ºC, sendo que só o inteiro seco e salgado pode estar à temperatura ambiente. Acrescento ainda que línguas, badanas, bochechas têm que estar obrigatoriamente embaladas. Pá, por mim, baril, até aqui tudo bem. A RTP (que ainda assim conseguiu não fazer disto um circo tão grande como eu já estou a fazer) tendo que fazer uma peça na rua decide ir onde? À Rua da Arsenal. Tau! É que já imagino o infeliz que propôs esta reportagem a esfregar as mãos com a grande ideia que teve. De génio, realmente. Achei desonesto, com um raio. São casas que nos merecem respeito reverencial, que toda a gente sabe onde ficam, assistiram a mudanças de regime violentas, algumas já lá estão ainda não havia eléctricos. Já basta um cheiro de mudar de passeio, não precisavam disto no primeiro dia da entrada em vigor da lei. De qualquer modo, parece que estavam preparados. Nem línguas, nem bochechas, nem badanas, nem mesmo caras que «podem ser comercializadas não pré embaladas, desde que seja assegurado que o consumidor não manuseia o produto». Havia isso sim, atum demolhado e salgado, e linguas, bochechas, badanas de atum à temperatura ambiente. Mas bacalhau, só inteiro, pendurado, com classe. E o senhor da loja até bastante pouco chateado com a coisa. "Tenho que pôr aqui uma vitrine em vez desta banca de mármore" e assim, e parecia tudo bem. Sem dramas. Gente do peixe seco e demolhado é gente serena, pareceu-me.
publicado por Sérgio às 10:03
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO