Sexta-feira, 24 de Novembro de 2006

Viagens na minha terra...

Quando chega o Verão o país entra imediatamente em caos por causa dos incêndios, das temperaturas altas, dos engarrafamentos para as praias, dos hospitais que não têm resposta para a quantidade de idosos prestes a morrer de calor, da falta de água nas barragens que não é suficiente para os campos de golf e para as populações, etc.
Entretanto chega o Inverno, neste caso o Outono, cai uma chuvinha e pronto, temos país de pantanas outra vez.
Pouco mais de três semanas depois da principal linha ferroviária ser fechada de emergência por causa do mau tempo, volta a acontecer o mesmo, desta vez em várias partes do país. Por azar meu das duas vezes vejo-me no meio do caos. Na primeira vez foi um Domingo, dia da gente voltar ao trabalho, ao estudo, ou ao que for. Quando saímos de Coimbra no Inter-Cidades a abarrotar, avisaram os passageiros de que haveria um transbordo em Pombal que levaria as pessoas até ao Entroncamento para seguirem viagem até Lisboa. Nesse momento as pessoas que iam para Fátima e Caxarias, as duas maiores paragens entre Pombal e Entroncamento começaram logo a mandar vir. Chegámos a Pombal e a comédia começou. Os passageiros seguiram em fila tipo indiana pela saída dos deficientes e rapidamente o cenário se tornou caótico quando as da frente pararam por causa da chuva. Uma pequena multidão ficou ali parada tipo zombie à espera de ser salva. Subi pelas escadas e tentei falar com o Chefe da Estação, mas informaram-me que não tinha comparecido apesar de ter sido convocado. A única informação que me deram foi que haviam 4 ou 5 (variava conforme o funcionário) autocarros que estavam a fazer a viagem entre Pombal e Entroncamento e que demorava cerva de uma hora a fazer o trajecto por causa do trânsito e mau tempo. Fiz as contas depressa. Cada carruagem transporta cerca de 100 pessoas. Eram 3 carruagens de segunda classe e uma de primeira. Cada autocarro costuma ser de 52 lugares. Logo seriam precisas várias viagens para levar aquela gente toda, ainda mais porque estavam a chegar mais comboios do norte e a multidão aumentava.
Quando chegou o primeiro autocarro senti que estava no Ruanda e que tinha chegado um camião da UNESCO com cereais e arroz. Nem deixavam sair as pessoas que vinham dentro do autocarro. O próprio motorista do autocarro desapareceu e só o voltei a ver 20 minutos depois com uma sandes na mão. Nessa altura teve de expulsar todos os que tinham entrado para o autocarro mas já não tinham lugar sentado. Entre tirar malas e afins foram mais 20 minutos até esse autocarro sair. Depois chegaram os outros três e o cenário foi igual. Lá furei e me meti no último dessa leva e fui para o Entroncamento. Aí entrei no comboio que me indicaram e esperei mais umas duas horas pelos outros passageiros antes que partisse. Obviamente não havia lugares para todos e acabei por ceder a minha cadeira a quem precisava mais do que eu. Cheguei a Lisboa com 6 horas de atraso.
Desta vez foi mais divertido ainda. Apanhei um comboio para Coimbra ao meio-dia. Quando cheguei a Coimbra comprei logo o bilhete para o Porto, para onde ia partir quatro horas depois, de forma a chegar lá às sete, meia hora antes da reunião.
Quando às 17h45 vou para a estação a chuva tinha intensificado. Corri para o comboio das 18h que julguei o meu e só quando reparei que o número das carruagens não combinava é que descobri que aquele comboio era o que devia ter partido pelas 17h15. Alguém me informa que a linha do norte está cortada depois de Aveiro mas ainda ninguém anunciou soluções. Sigo para a sala do chefe da estação mas ele tinha saído às 18h. As informações também fecharam a essa hora. Entrei pela porta lateral das bilheteiras e exigi uma explicação. Disseram-me nada saber e apelaram à calma. Ao ver a minha reunião em perigo exigi o dinheiro do bilhete e corri para a Rede Expressos. Mais gente pensou no mesmo e nesse momento senti-me na Índia. Eram centenas de pessoas a tentar comprar bilhetes, aos gritos, com lágrimas, enfim uma desgraça.
Desisti. Liguei a desmarcar e combinei a reunião para o dia seguinte bem cedo.
Olhei para trás e vi aquela gente em desespero para chegar a casa e pensei na sorte que tenho. Afinal a chuva só me atrasou um dia de trabalho, podia ter sido muito pior. Afinal a C.P. é uma empresa que promete a tecnologia de ponta num futuro próximo mas não consegue manter as linhas centenárias a funcionar quando chove. Afinal a guerra civil no Iraque fez mais 160 mortos enquanto eu mandava vir com um funcionário da C.P. Afinal sou eu que penso que vivo num mundo civilizado. Alguém me dê um beliscão...

publicado por Manuel Padilha às 21:44
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO