Terça-feira, 29 de Novembro de 2005

Elizabethtown

Ontem fui ver o último filme de Cameron Crowe, que tão boas críticas tem recebido, como aliás a generalidade da sua obra. Devo dizer que toda a crítica que tinha preparado para aqui escrever se pode resumir em duas palavras: não gostei.

Aliás, desde o velhinho Singles que me parece que os seus filmes têm vindo a decaír de qualidade, numa relação inversamente proporcional à aclamação que tem vindo a receber por parte da crítica, pelo que o considero neste momento um forte candidato à lista dos sobrevalorizados.

Basicamente, não gostei da banda sonora nem do argumento, unanimemente considerados os pontos mais fortes do cinema de Crowe. E se no caso da música se trata de uma opinião, o argumento é inquestionavelmente fraco: parte da história é decalcada de Garden State, talvez um dos melhores filmes do ano passado, mas muito longe da excelência por este alcançado, mas sobretudo a linha temporal não faz sentido algum. Uma das personagens consegue, no espaço de três ou quatro dias, estudar mecânica, cozinha biológica e aprende a sapatear, enquanto que a personagem interpretada por Kirsten Dunst elabora um mapa extremamente minucioso, com trajectos, fotografias e CDs piratas que levará "42 horas e 11 minutos" em uma manhã. Com uma directa em cima.

E chegamos, assim, ao motivo deste post existir:



Infelizmente, nem mesmo a Kirsten Dunst conseguiu salvar este filme. No entanto, iria alegremente vê-lo outra vez só por causa dela (e pelo facto de com o KingKard não ter que pagar mais). Iria ainda mais alegremente se o realizador não tivesse dado quase todo o protagonismo ao paneleirote do Orlando Bloom, que faz juz ao seu epíteto "Legaylas" ao passar a maior parte do filme a tentar esquivar-se das tentativas que a Kirsten faz de se meter debaixo dele. Enfim, posso confessar que o Homem-Aranha passou a fazer parte da minha lista de filmes a ver. Nem que seja só para ter uma desculpa para olhar novamente para o sorriso mais bonito que já vi, com esta boca imperfeita, estes dentes quase vampíricos. Nunca um par de incisivos pareceu tão belo num écran:

publicado por Comboio Azul às 15:23
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO