Sábado, 22 de Julho de 2006

Uma história de duas Kims

No princípio da minha formação o rock era uma coisa de homens. No entanto, cedo surgiram duas jovens que iriam mudar a minha percepção da coisa. Curiosamente, ambas partilhavam um nome (o instrumento também, mas isso já não é tão curioso). Um nome apenas, Kim. Nome de homem em países escandinavos, por exemplo, pelo que podia ter ocorrido por engano, como naqueles filmes estúpidos em que uma mulher veste umas calças e é imediatamente tomada por um homem. Porém, não era o caso. Não se tratava de uma comédia de enganos, mas sim de um épico. Que continua.

Tratou-se de amor à primeira vista, jamais traído.

Hoje (ontem, precisamente) , mais velho e mais gordo, reparo que tal não acontece só a nós. Aos nossos heróis e heroínas também. Mas não deixam de ter a sua condição mítica por isso.



Pelo menos não estou careca como os outros três quartos dos Pixies.
publicado por Comboio Azul às 02:17
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO