Quarta-feira, 19 de Outubro de 2005

Jazz -2

Vamos imaginar que se pode começar do ponto 'menos dois', e que se pode simplificar tudo isto. A base seria

(1) as marchas compostas pelo quase quase português John Philip Sousa. No século XIX os americanos só queriam ouvir marchas e danças de salão. Curtir, no fundo. O John escreveu quase todas (as marchas), nomeadamente o mais do que muito tocado Stars and Stripes Forever (aquela que aparece muito em paradas militares nos filmes e em algumas recepções a presidentes dos EUA). Toda a gente já a ouviu. Há ainda outra particularidade do John Philip. E aqui dá especial jeito todo o imaginário que o cinema americano nos criou. Chateado com as limitações da tuba ele inventa um instrumento ainda mais grave e que projecta o som a direito mas por cima das cabeças dos restantes músicos. O instrumento enfiava-se à volta do corpo e enrolava-se até sair por cima da cabeça. Uma coisa mais ou menos assim. Se mencionei isto, nem é pelo instrumento, que me impressiona pouco. É pelo nome: Sousafone. Acho brilhante. Sousafone.

(2) a música espiritual do delta do Mississipi. Simplificando (já não é cedo), nasce de várias proibições. A de falar a língua, professar religiões africanas e tocar tambores, entre escravos. Não lhes tendo parecido mal a nova religião, começa a surgir música cantada sem instrumentos (ninguém de entre os escravos sabia tocar outra coisa que não percussão nesta altura, séc. XVIII) e cujas letras eram literais textos cristãos. Passar sem música é que não.

(3) o último e mal colocado elemento é a música original do Golfo da Guiné, região priveligiada de fornecimento de escravos para a América. Uma região fechada entre os rios Senegal e Níger, produz uma floresta tão densa que fez com que a música evoluísse sem influências exteriores, sobretudo as árabes. Podendo sair tudo daqui, saiu o maior desenvolvimento do ritmo de que há conhecimento. Imagine-se dois mil anos a estudar, experimentar e aperfeiçoar o Ritmo. Ou melhor, imagine-se o mesmo tempo a aperfeiçoar a Harmonia. O resultado será Bach, por exemplo. O Ritmo na música do Golfo da Guiné é tão evoluído quanto o é a Harmonia na Europa.

Destes três elementos, tão atabalhoadamente expostos, não virá ainda Jazz nenhum.
publicado por Sérgio às 03:04
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO