Sexta-feira, 24 de Julho de 2009

Passagem do tempo por duas tampas de esgoto do jardim de Santo Amaro

sinto-me: Abrupto
publicado por Proletário às 01:29
link do post | comentar
Quinta-feira, 23 de Julho de 2009

... e filmes, e séries.


Há aqui mais.

publicado por Sérgio às 08:46
link do post | comentar
Quarta-feira, 22 de Julho de 2009

Porto Covo by Ouagadougou

 

"Je suis rentré au pays depuis quatre-vingt putain."

Victor Démé (minuto 1:54)

 

 

Este já será o 7º ano que vou a Sines. Ao Festival. Sem falta. Posso ir mais ou menos dias (dois, no mínimo). Mas não falto.

 

Desta feita e pela primeira vez, fiz uma perninha a Porto Covo. Em jeito de antecipação. Foi uma bela noite de sábado. Antes da ligeira desilusão de ver os Ukranians ao vivo (a principal razão que me levou lá), seguidos do sempre cool mas algo enjoativo afrobeat do senhor Dele Sosimi, a grande descoberta da noite foi mesmo este moço tão desdentado quanto inspirador do Burkina Faso. 

 

Victor Démé está em palco como se estivesse a tocar guitarra no seu quintal. Sozinho (minuto 10:40). Ou bem acompanhado pelos seus vizinhos. Na moleza da tarde africana. Todos à sombra de uma grande mangueira. Ou papaieira. E pela sua voz griot passam embondeiros.

 

Por acaso, não os vemos passar no início deste belo video. Mas eles estão lá. Nas paisagens que escutámos. Sábado à noite.

 

 


VICTOR DEME
by Chaparecords
 
publicado por O Escravisauro às 14:54
link do post | comentar

Wire

Em toda a minha vida nunca tive uma insónia. Nos momentos mais negros e angustiantes da minha existência demorei cerca de um minuto e quarenta a adormecer profundamente para só voltar à negritude e angústia na manhã seguinte. Não há nenhum truque, nem super-poder aqui escondido que possa partilhar, mas ser tão preguiçoso ajuda, da mesma forma que deve ser por ser um alarve que nunca deixei de ter vontade de comer por estar doente.

Aconteceu-me agora que me deparei com um clássico dos últimos anos e acordei com um torcicolo, ou o que seja isto no pescoço, e que consegue levar dores agonizantes até ao braço e à ponta dos dedos, em permanência e independentemente da posição. Não vale a pena aborrecer ninguém com isto, mas é uma situação muito complexa e que não me permite cozinhar, conduzir, ou, cá está, dormir. Portanto, pela primeira vez na minha vida não consigo dormir. Estou cheio de sono, mas dormir está quieto, por causa das dores no braço, claro.

Descobri ao segundo dia que só havia uma posição menos desconfortável que as outras. Isto vai parecer uma piada, pronto, mas a única boa posição é sentado de frente para a televisão (é o unico sítio com sofá) e de braços cruzados. Não posso estar a ler ou a fazer seja o que for. Sentado, de frente para a televisão, de braços cruzados. Posto isto, e como também não consigo dormir, resolvi ver o Wire todo outra vez e já acabei a primeira temporada menos um episódio. Ando fundamentalmente à procura de erros no guião, nas personagens, situações de encher chouriços no geral. Não se consegue encontrar nada. Quando acabei as cinco temporadas da primeira vez, fiquei convencido, e ainda estou, que a quarta era a melhor da série, mas acontece que esta primeira é a mais flawless (perdão) de todas elas. Vou só ver o útlimo episódio esta noite e estarei em condições de explicar tudo.

publicado por Sérgio às 12:54
link do post | comentar

Insónia

O meu amigo Sérgio, rapaz talentoso para estas coisas de blogs e outras coisas melhores ainda, tratou (no sentido de fazer um tratado) no outro dia da questão da ressaca com inigualável mestria. Argumentou ele, com toda a razão, de que o maior consolo da ressca é termos a certeza de que ela vai passar. Pois com a insónia acontece coisa parecida, mas um pouco mais cruel: sabemos que iremos ter sono, mas temos a certeza de que será tarde demais para um acordar descansado. Descrente de contar ovelhas e respectivos pastores sodomitas, deu-me para meditar, coisa tão parva como inútil.

E que melhor como soporífero do que a política doméstica, pensei eu. O tom aqui é leviano e boçal, mas o cidadão eleitor que vos escreve concluiu, tarde demais dirão vozes mais avisadas, que não há, absolutamente, nenhum partido em quem votar nas próximas legislativas. Excluídos, por insanável conflito biliar, o CDS que afinal é PP, mas que há de continuar CDS nos boletins, e essa amálgama de carreiristas empedernidos do PSD, que pelos vistos ainda é PPD, liderados por uma senhora que ganha votos na exacta proporção em que permance calada, resta-me a "esquerda", onde eu costumava dizer que me integrava. Pois o PS e mais o seu líder messiânico conseguiram fazer tanta merda em tão pouco tempo que tornam impossível qualquer voto naquela rapaziada que ainda considera que governar ao sabor do vento e ignorar ostensivamente qualquer sinal de descontentamento são argumentos suficientes para se ganhar eleições. Quanto ao PCP, meus caros, cheguei ao fim da linha. Não posso votar num partido que, cada vez que se pronuncia sobre o que se passa no mundo, faz tremer qualquer cidadão que leia mais do que o horóscopo publicado nos jornais. E depois vem a malta moderna do BE, que no fundo é gente tão ou mais demagoga que os do CDS. Basta-lhes defender precisamente o contrário destes com a mesma insana ferocidade. O Dr. Francisco acredita mesmo que o país se salva conduzindo à forca todo e qualquer banqueiro ou empresário e que havemos nós de fazer perante tão construtivo pensamento...

Portanto, resumindo o que não tem resumo, se depender de mim e do voto nulo que vou preparando, este país mergulhará na anarquia. Movido por esta ideia peregrina, fui à pesquisa de imagens do google inserir o termo "anarchy". O primeiro resultado é o que ilustra esta posta. Não é brilhante pois não? E o sono, nem vê-lo.

 

publicado por Proletário às 03:09
link do post | comentar
Terça-feira, 21 de Julho de 2009

Pitau-raia é serviço público

Desde isto que o número de pessoas que cá vêm parar pesquisando no google por "campo grande camionetas" ou "autocarros campo grande" não pára de aumentar. E é pensando no bem estar de toda essa gente - mas beneficiando apenas uma pequena parcela - que publicamos este post.

 

Aqueles de entre vós que sois das Galinheiras, não ide mais longe. Tende calma, minha gente! Não carregueis apressadamente no BACK com ar enfadado pelos conteúdos espúrios de mais um blogue. Está aqui mesmo o que procurais.

 

O Pitau-raia deseja-vos uma boa viagem!

 

Já ao outro cidadão que nos pesquisou por "sistema caseiro de secagem de cannabis", lamentamos não poder auxiliar. Mas ficam também os nossos votos de excelentes viagens. Rumo às Galinheiras da sua imaginação.

sinto-me: um gajo mesmo baril, pá
publicado por O Escravisauro às 14:48
link do post | comentar

Post de hora de almoço

 Interlocutor não identificado: olha esta cena

  mãe e filho

  estão a conversar à minha frente

  filho "não vamos conseguir chegar a horas"

  mae "vamos"

  o filho abre a mala e saca um papel onde diz "Talão de compromisso"

13:57 eu: ...

 Interlocutor não identificado: onde preenche os campos e assina e faz a mãe assinar

  concluindo

 eu: LOL

 Interlocutor não identificado: se a mãe n cumprir tem de pagr uma coima

13:58 eu: ehehehehe

 Interlocutor não identificado: ela diz que ele utiliza este metodo para tudo!

 eu: vou fazer um post com isto

  e qt é a coima?

 Interlocutor não identificado: depende do compromisso

  e ele diz-me

13:59 "não sabe como sao os adultos?"

 eu: q idade tem o puto?

 Interlocutor não identificado: prometem e nunca cumprem

  assim tá assinado

  14 anos

 eu: dentro de 5 min isto tá no pitau

14:00 comprometo-me

  onde é q assino o talão?

sinto-me: cumpridor
publicado por O Escravisauro às 14:04
link do post | comentar
Quinta-feira, 16 de Julho de 2009

Guess who?

Esta foi mesmo à tuga.

publicado por O Escravisauro às 15:22
link do post | comentar

Desconcertante VISÃO, hoje

Na capa, a direcção capitaliza descaradamente sobre a Gripe A com um grafismo ao melhor estilo de folheto de instruções de segurança aérea e a bela da etiqueta "EDIÇÃO PARA GUARDAR (e usar em caso de emergência)". Na última página, o RAP ridiculariza frontalmente a cobertura dos media sobre a gripe dos porcos (e das aves e ainda a outra das vacas), avança com a fábula d' "O jornalista e a pandemia" e sentencia que "felizmente, até agora, a bicharada tem evidenciado menos talento para dizimar do que para vender jornais."

 

publicado por O Escravisauro às 15:18
link do post | comentar
Quarta-feira, 15 de Julho de 2009

A ler o mais depressa possível


BH: It's true. I think the last song standing will probably be "Happy Birthday."
TW: I'm sure it will be. It's terrible, but I guess songs are just interesting things to do with the air.

 

Uma certa menina alertou-me para esta conversa entre Beck Hansen e Tom Waits. Porque há muito mais nesta gente do que a já de si excepcional música.

publicado por Proletário às 19:21
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO