Sexta-feira, 29 de Setembro de 2006

Briosa.

Não é incomum ver o Comboio Azul, adepto com carácter de exclusividade, da Académica de Coimbra, gozar connosco, pobres torcedores de equipas que fazem capa de jornal e que nem golos podem sofrer jornada a jornada. Goza connosco do alto (ou do baixo, em rigor) do conforto da sua pequena equipa, histórica mas modesta, que não faz mais do que é obrigada, que comemora as permanências, sabe o que é uma subida de divisão, sonha cautelosamente com um dia na UEFA ou na final da Taça.

Agora finalmente, e graças ao Nuno Miguel Guedes, venho a descobrir o que se ouve nas bancadas em Coimbra por estes dias. Será, como no caso do Benfica, um bem esgalhado ragtime de Scott Joplin do século XIX? Não é bem. Mas louve-se a actualidade e a intenção de atrair jovens para a causa academista.
publicado por Sérgio às 10:16
link do post | comentar | ver comentários (5)
Quarta-feira, 27 de Setembro de 2006

Vox Populi:

"Então mas afinal o Cavaco é que engravidou a Letizia?!?"
publicado por O Escravisauro às 09:51
link do post | comentar | ver comentários (2)

Neo-Con

Está na moda ser-se liberal. Urge bater no Estado, espezinhá-lo, implodi-lo. Reforma é coisa a tratar pela banca e pelos seguros, privatize-se hoje, já! Subsídio de desemprego é financiar malandros. Catorze meses de ordenado constitui uma aberração incomportável. Hospitais de acesso gratuito só pode ser ideia de um palhaço sem nome. Educação é para quem a pague. Estradas sem pagar, só se não tiverem alcatrão. Rendimento mínimo garantido ou outros eufemismos é para encher o bandulho a parasitas. Contrato colectivo foi ideia de comunas exacerbados. Multibanco sem taxas, nem me falem nisso. Nem em habitação social para os miseráveis ou limitações aos contratos a recibos verdes. Para que é que serve o ordenado mínimo? Ou o passe social? O progresso não se compadece com estas merdas. Entregue-se o país às mentes brilhantes. E afiem-se as facas para a selva que se avizinha.
publicado por Proletário às 03:02
link do post | comentar

Fernanda Câncio

Reparem bem na habilidade de fazer contra-perguntas (por ora vamos admitir que a expressão existe e não nos vamos desviar do essencial). Sobretudo quando diz "outro assunto", quase aplaudo. Que vá havendo quem tão bem o encoste às cordas, agora que regressa.

Por outro lado, dou por mim a concordar com pessoas como o Henrique Raposo, coisa que me apoquenta (é que arrepia como concordo absolutamente com isto), vos garanto, ou a ficar satisfeito pelo regresso do De, mas felizmente a achar algo ridícula a instrumentalização por parte do PPM de um chorinho muito mais inocente do que ele pensa, do Chico Buarque. Lamento mas não é de todo de ir por aí. Até porque ao instrumentalizar, um gajo corre o risco de se esquecer do maior momento de génio de toda a letra, que é fazer rimar o nome da mulher (a que manda um beijo para os seus) com "a coisa aqui tá preta". O essencial. Fiquemo-nos pelo essencial, se faz favor.
publicado por Sérgio às 01:59
link do post | comentar | ver comentários (1)

Isto ainda vai.

A chatice de um gajo picar os bons jogadores,


é que, mal podem, eles vingam-se. Anda-se a fazer jogador, o sacana.
Tags:
publicado por Sérgio às 01:50
link do post | comentar
Segunda-feira, 25 de Setembro de 2006

Dick Cheese Canta Para Nós

Richard Cheese e os Lounge Against the Machine começaram em 2000 a tocar pelos Estados Unidos. Passaram quatro anos e vieram até à Europa para apresentarem ao público Londrino e Portuense a sua arte. Especializados em converterem músicas comuns às playlistas mundiais em temas jazz "ligeiro" típico de Hotel de 3 estrelas ou Casino tipo Funchal, os três músicos e o comediante Mark Jonathan Davis, têm participado em diversos programas de televisão e até já viram uma música sua usada num filme.
O pseudónimo Richard Cheese é também um nome bem escolhido a dedo já que Richard tem como alcunha Dick e Cheese refere-se à esmesma, a nhanha que se forma à volta da glande das pichas mal lavadas.
Para que conheçam melhor estes grandes artistas, ficam alguns links e informações.

Composição:
* Richard Cheese: vocals
* Gordon Brie: double bass
* Buddy Gouda/Frank Feta: drums
* Bobby Ricotta: keyboards

Diversas Músicas

Editora

Tags:
publicado por Manuel Padilha às 02:31
link do post | comentar
Domingo, 24 de Setembro de 2006

Na senda do audio-visual, parte II

Além do Bachelorette, o Michel Gondry destacou-se, por exemplo, num dos vídeos que melhor consegue captar a essência dos Radiohead. É importante referir que eles devem ser os gajos que mais a dedo escolhem os criativos e os realizadores dos seus videoclips, visto que não me lembro de um, nem unzinho que seja, que não seja completamente avassalador, portanto não é coisa pouca ser dele o melhor.

Não, apesar da câmara impressionante no Street Spirit, da história pungente contada no Paranoid Android, da curta-metragem impressionante que é o Karma Police, do arrojo do plano único no No Surprises ou da alta tecnologia usada no Pyramid Song ou no There There, é mesmo o vídeo de Knives Out, realizado como se fosse um único plano-sequência (ainda tenho que investigar para ver se é verdade) que melhor define aquilo que é a sua música: a angústia, a paranóia, o desespero, a irrealidade própria de um pesadelo. Com o toque de bizarria que vai definindo o trabalho de Gondry:

publicado por Comboio Azul às 23:22
link do post | comentar | ver comentários (2)
Sábado, 23 de Setembro de 2006

Frouxo Moura

Lê-se no DN: "(...)Este é o resultado das investigações em volta do caso denominado Envelope 9 que ontem chegaram ao fim. O anúncio foi feito pela Procuradoria-geral da República (PGR) em comunicado, informando também que foi ilibado o funcionário da PT-Telecomunicações envolvido, assim como "não foram recolhidos indícios da prática de crime ou de qualquer responsabilidade disciplinar imputável a magistrado, oficial de justiça ou funcionário da Polícia Judiciária". Só os profissionais da comunicação foram notificados para julgamento. No banco dos arguidos vão sentar-se Joaquim Oliveira, do quadro do 24 Horas, e Jorge Van Krieken, "free-lancer"."


O dia em que Souto Moura deixar a Procuradoria é um dia feliz para todos nós. Depois de ter falhado a promessa que fez a Sampaio de esclarecer o caso do envelope 9 o mais rapidamente possível, o senhor resolve pôr dois jornalistas no banco dos réus na véspera de se ir embora. Para esse cavalheiro, o grave não é o facto de terem ido parar ao processo Casa Pia centenas de números de telefone de altas figuras do Estado. O que realmente o incomoda é o facto de dois jornalistas terem publicado esse facto. Não sou corporativista, mas, neste caso, só posso estar com os dois arguidos. Frouxo Moura é mau demais para ser verdade. Que vá em paz e para bem longe.
publicado por Proletário às 12:49
link do post | comentar

Dedicatórias, do/no fundo

Faz lembrar o actual momento do João Miranda


Frank Sinatra - That's Life


Vá, com letra e tudo:

That's life, that's what all the people say.
You're riding high in April,
Shot down in May
But I know I'm gonna change that tune,
When I'm back on top, back on top in June.

I said that's life, and as funny as it may seem
Some people get their kicks,
Stompin' on a dream
But I don't let it, let it get me down,
'Cause this fine ol' world it keeps spinning around

I've been a puppet, a pauper, a pirate,
A poet, a pawn and a king.
I've been up and down and over and out
And I know one thing:
Each time I find myself, flat on my face,
I pick myself up and get back in the race.

That's life
I tell ya, I can't deny it,
I thought of quitting baby,
But my heart just ain't gonna buy it.
And if I didn't think it was worth one single try,
I'd jump right on a big bird and then I'd fly

I've been a puppet, a pauper, a pirate,
A poet, a pawn and a king.
I've been up and down and over and out
And I know one thing:
Each time I find myself laying flat on my face,
I just pick myself up and get back in the race

That's life
That's life and I can't deny it
Many times I thought of cutting out
But my heart won't buy it
But if there's nothing shakin' come this here july
I'm gonna roll myself up in a big ball and die
My, My
publicado por Sérgio às 02:35
link do post | comentar

Na senda do audio-visual

O Spike Jonze, antes de se ter tornado um cineasta da moda, realizou vários videoclips da moda, como já aqui foi referido. Muitos e bons, inovadores, como terei - espero - ocasião de aqui partilhar. Entretanto lembrei-me de mais um cineasta da moda que começou como realizador de videoclips da moda, que marcaram definitivamente a minha formação, se bem que na altura não fazia a mais pálida ideia de quem eram as almas por trás do famoso processo criativo. A bem dizer, nem sequer interessava muito. Na altura, bastava bem o trabalho de ter de aprender os nomes das bandas ou artistas a solo, das músicas, eventualmente dos álbuns e ainda, lá está, a história que os videoclips contavam ou, em alternativa, pelo menos os planos que enchiam mais o olho.

Lá para 97, talvez a derradeira altura em que a MTV ainda se via (ainda que vagamente - o Alternative Nation, alguns clips pela madrugada), lembro-me perfeitamente de ter surgido o, se não estou em erro, segundo single do Post da Björk, que já na altura era uma paixão arrebatadora que me enchia o peito. Lembro-me ainda do espanto com que vi o clip do Bachelorette pela primeira vez, da obsessão de ir memorizando o vídeo a cada passagem, e ainda do enorme gozo que me dava saber que este iria acabar por passar durante as madrugadas em que ainda tinha o hábito de ouvir a televisão. Não me lembro, como é óbvio, como em todas as paixões, da altura em que ela passou, em que deixou de ser importante, em que se tornou apenas num hábito que se mantém.

A única certeza que tenho é que, passados muitos anos, voltei a ter um gozo enorme a ver o clip, a segui-lo atentamente, a descodificar a mensagem de Michel Gondry (o gajo do Eternal Sunshine of the Spotless Mind, pois claro! Estes dons não caem do céu!). Agora tudo faz sentido. Sobretudo a excentricidade bem marcada, a crescente sensação de ansiedade e a pontinha de melancolia que deixa no final. Um vídeo brilhante para uma música não menos brilhante:


publicado por Comboio Azul às 00:28
link do post | comentar

Pesquisar

coisos

Arquivos

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

blogs SAPO